Neo Tokyo
É com todo o prazer que damos as Boas Vindas a Neo Tokyo!

O fórum se passa em um mundo futurístico, cyberpunk, onde as grandes corporações e as máfias dominam todo o giro de capital.
Desde os altos arranha-céus da Cidade Alta até as ruas sujas e cheias de mendigos e doentes do Distrito 8, o mundo é dominado pelas modificações corporais e pelos implantes de aumento de habilidade, ou AUGS.

Desenvolva sei personagem, com suas habilidades e fraquezas e escolha seu local de moradia de acordo com seu passado e presente, e acima de tudo: divirtam-se!

Um Homem de Sorte

Ir em baixo

Um Homem de Sorte

Mensagem por Gesicht/Atom em Sex Jan 12, 2018 7:03 pm

Em uma arena de combate, dois enormes robôs se enfrentavam. Tecnicamente falando, eles não eram robôs, apenas armaduras enormes. O cérebro dos robôs era implantando nessas armaduras para que eles pudessem combater, esta tecnologia era utilizada em vários cantos do mundo, para construções de prédios, proteção de civis e é claro: guerra.
Brando se criara na guerra da Eurásia, utilizando uma armadura muito mais avançada do que a que habitava naquele momento.  Assim que a guerra terminou, ele criou uma carreira para si na luta livre de robôs, se tornando um dos maiores lutadores de todos os tempos, participando de 963 lutas no total e saindo de todas vitorioso. O único que se comparava era Herácles, outro robô de combate igualmente lendário. A luta terminou rapidamente, com mais uma vitória para Brando.
Gesicht o encontrou do lado de fora, havia ligado para ele momentos antes falando que precisavam conversar. Dentro do carro de Brando, o robô de combate apresentava-se como um robô extremamente animado.

'' Você foi incrível, Brando '' Falou Gesicht, com um sorriso melancólico em seus lábios '' Você está na mesma armadura que o outro, mas sempre acaba ganhando ''

'' Eu consigo ganhar a maioria das lutas usando minha experiência, o resto é sorte '' Disse Brando, com um largo sorriso em seu rosto '' Os humanos dão risada quando um robô fala de sorte. Aí eu pergunto para eles: Você prefere ver uma luta onde o resultado foi calculado ou prefere ver uma onde você não sabe quem vai ganhar? ''

'' Sorte... eu nunca parei para pensar sobre isso '' Murmurou Gesicht, de fato, para robôs a sorte em si não fazia nenhum sentido, quando se era capaz de calcular as variáveis. Porém haviam certas coisas que não podiam ser calculadas.

'' Eu sou um homem de sorte '' Falou Brando, apontando para o próprio peito e rindo logo em seguida '' É só passar por esse túnel e logo chegaremos lá ''

Estavam em Berlin, na Alemanha, a cidade natal de Gesicht e local onde Brando vivia atualmente. A cidade era claramente moderna, com certas partes lembrando muito Neo Tokyo, porém Brando vivia na Cidade Velha, um local onde ainda haviam casas antigas, feitas de tijolo e madeira cuja arquitetura lembrava muito as casas feitas no começo dos anos 2000. Sim, aquele local era estupidamente antigo.

'' Você mora aqui? '' Questionou Gesicht, que nunca fora de fato até a Cidade Velha, tendo apenas ouvido falar dela.

'' Eu sei, com o dinheiro que ganho das lutas eu poderia viver em uma mansão '' Falou Brando, parando o carro de frente a uma casa antiga e descendo tranquilamente do mesmo, com Gesicht o acompanhando '' Mas eu gastei meu dinheiro com outras coisas '' Ele falou, ainda mantendo aquele sorriso em seu rosto, em seguida ele abriu a porta da casa e deu dois passos para dentro '' O campeão voltou! ''

Várias vozes de crianças gritaram ao mesmo tempo. '' Papai! '' Eram cinco no total, duas garotas e três garotos, todos correndo e abraçando Brando ao mesmo tempo, enquanto ele as abraçava de volta com o mesmo entusiasmo. Ao lado, uma mulher apareceu e Gesicht a reconheceu como a esposa de Brando. Porém, diferente do próprio Brando e de sua esposa, aquelas crianças eram humanas. Isso pegou Gesicht de surpresa. Robôs podiam ter filhos, porém estes normalmente eram robôs. Esse pensamento o deixou triste, ele e sua esposa já haviam tentado adotar uma criança antes, porém nunca de fato conseguiram algo.

Gesicht acabou por jantar com eles, ou melhor, fingir jantar. Robôs não comiam, é claro que caso ingerissem comida seus mecanismos internos acabariam por dissolvê-la completamente, fazendo com que eles pudessem fingir comer. Porém, não sentiam o gosto da comida. Após um jantar bem animado, uma vez que as crianças raramente paravam quietas, a esposa de Brando levou-as para a cama.

'' Você... ficou sabendo do North #2? '' Perguntou Gesicht, agora que estava a sós com Brando.


'' Conheço só o nome '' Foi a resposta do outro robô.

'' Ele foi assassinado na Irlanda, estava servindo como mordomo para um compositor famoso. Dizem que estava aprendendo a tocar piano '' Disse Gesicht.

'' E foi o mesmo que matou Montblanc, não é? '' Perguntou Brando, sua voz soando levemente irritada. Ele, Montblanc e Herácles serviram juntos na Guerra Da Eurásia e haviam formado uma amizade profunda.

'' Sim e nós acreditamos que ele vai vir atrás de você '' O investigador disse, juntando suas mãos em cima da mesa.

'' Pois que venha! Eu vou partir ele ao meio '' Disse Brando, claramente começando a ficar irritado '' Um bom destino para o assassino de Montblanc ''

'' Brando... tome cuidado. Esse cara não é como nada que enfrentamos na guerra '' Disse Gesicht, levantando-se da cadeira, para deixar a casa.

'' Não se preocupe comigo. Eu sou um homem de sorte, esqueceu? '' Ele disse, batendo confiantemente em seu peito '' Você já pensou em ter filhos? ''

'' Já, mas eu e minha esposa nunca recebemos uma resposta para os nossos pedidos de adoção '' Falou Gesicht, começando a vestir seu sobretudo.

'' É uma coisa engraçada, ter filhos. Antes eu não me importava se eu fosse destroçado em combate, mas agora? Agora eu quero ganhar e voltar para a minha família '' Brando levantou-se, para acompanhar Gesicht.

Na memória de Gesicht, um homem de aparência Chinesa surgia, e abria a palma da mão para Gesicht, enquanto falava '' Serão quinhentas unidades ''. O robô segurou sua têmpora direita, era impossível um robô ter dor de cabeça, a não ser que carregassem muita informação pesada ao mesmo tempo. Mas não havia maneira melhor de descrever o que Gesicht sentia.

'' Você está bem? '' Questionou Brando '' Quer uma carona? ''

'' Não, não, eu estou bem. Eu pego um táxi '' Falou Gesicht '' Se cuide, Brando ''

'' Você não precisa se preocupar comigo, Gesicht '' O outro robô abriu um largo sorriso '' Eu sou um homem de sorte ''

Passaram-se semanas desde que Gesicht encontrara Brando, no meio tempo ele conversara com Héracles, que era o rival de Brando. Uma luta entre os dois estava para acontecer e seria transmitida no mundo inteiro e ambos estavam animados para encontrarem-se no ringue novamente. Porém, Brando sabia. O assassino estava vindo atrás dele.
Uma noite, em segredo, ele retirou sua armadura de combate e a colocou em um caminhão e partiu de sua casa, sem falar nada. Ele chegou perto do mar e descarregou a armadura, montando-a lentamente. Horas depois, ela estava pronta e Brando executou a transferência, com seu cérebro e coração se alocando dentro da máquina.

'' Venha. Eu sei que estava me esperando '' Ele falou, olhando para o horizonte '' Deixe-me lhe mostrar como um verdadeiro guerreiro luta ''

A noticia de que a armadura de Brando e o próprio robô haviam sumido chegara aos ouvidos de Gesicht e Héracles, que aceleravam para tentar chegar na localização do outro. Mantinham comunicação o tempo inteiro, porém Brando recusava-se a falar. E então, ao longe, um furacão surgiu e Brando foi até ele, desafiando-o conforme sua pesada armadura mantinha voo.
Gesicht e Héracles podiam apenas escutar o que acontecia uma vez que a sua conexão de visão com Brando estava dando erros, com o barulho de metal batendo contra metal e de alguns pedaços voando e caindo contra o mar, muito abaixo dos dois. Brando parecia estar realmente ferindo seu inimigo, que rugia de uma maneira tão... demoníaca, que nem parecia ser realmente um robô.

'' Isso é pelo Montblanc '' Falou Brando, conforme atacava '' Ele é forte, quem é esse cara? ''

Eles podiam ver o que Brando via, por um segundo, eles puderam ver. No meio daquele furacão, uma silhueta negra se projetou, com dois chifres enormes saindo do topo de sua cabeça e seus olhos... seus olhos possuíam um incontrolável ódio. E então, eles não puderam mais ver a luta.
Conforme o carro dos dois aceleravam, a batalha piorava. Não poder ver o que acontecia era ainda pior, pois o assassino conseguira derrubar Montblanc e North #2 com esse último tendo o maior número de mortes robóticas confirmadas na Guerra da Eurásia. E então, por um momento, silêncio.

'' Eu ganhei '' A voz de Brando soou e um suspiro aliviado deixou  a boca de Gesicht '' Mas ele me pegou também. O corpo está começando a falhar ''

'' Brando! Volte para a terra firme, podemos ajudar você lá '' Gritou Héracles, o robô grego realmente queria lutar novamente com seu amigo.


'' Eu realmente queria lutar com você, Héracles '' Soava a voz de Brando '' Eu sei que eu ia ganhar, mas eu realmente queria lutar com você ''

'' Eu também, Brando. E você não pode falar isso até lutarmos '' Héracles falava que apesar de ter um exterior frio, realmente gostava de seu rival.

'' Não dá '' Uma risada fraca soou '' Eu vou mandar as imagens da minha luta para vocês, vai aparecer no monitor do carro. Assim vocês podem tentar reconhecer o inimigo ''

Mas, no monitor do carro, não apareceu a imagem do inimigo. As únicas coisas que apareciam eram as imagens da família de Brando, sua esposa, suas crianças. Todos reunidos e as imagens mudavam, mostrando diferentes momentos na vida deles, mostrando viagens, momentos felizes no geral.

'' Eu... não entendo. Eu estou tentando passar as imagens da batalha '' Falou Brando, incapaz de compreender '' Mas... eu só consigo pensar neles ''

'' Brando... '' Murmurou Gesicht, abaixando seu rosto.

'' Eu sinto muito '' Falou o robô ‘'' Eu... quero ajudar vocês mas... ''

Silêncio por um momento. Brando ainda estava ali, tentando compreender o motivo por trás de conseguir pensar apenas em sua família. Robôs não foram programados para sentirem emoções, mas conseguiam emulá-las tão bem que alguns acabavam por desenvolver a capacidade de sentir algumas das emoções.

'' Que estranho... eu realmente sinto muito. Mas eu não consigo controlar isso '' Disse Brando, conforme mais e mais imagens e vídeos passavam.

Silêncio e então, Gesicht chamou por Brando, urrou o nome dele dentro do carro. Um robô como aquele não podia morrer, ele era uma pessoa boa, possuía uma família que esperava por ele e o amava.

'' Agente Gesicht '' Chamou Brando, sua voz falhando '' Eu lhe disse, eu sou um homem de sorte. Eu... prometi para as minhas crianças que ia para o zoológico com elas. Diga para elas que... eu nunca quebro uma... promessa. E que não precisam... se preocupar... ''
 

Eu sou um homem de sorte.


''Nothing can be born from hatred ''
avatar
Gesicht/Atom
Perdido
Perdido

Mensagens : 60
Data de inscrição : 28/12/2017
Idade : 31
Localização : Neo Tokyo

B.I.O.S.
HP:
200/200  (200/200)
MP:
200/200  (200/200)

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum